Educação Elos Educacional

Brincadeiras e relações étnico-raciais: a importância da tradição oral africana

por Por Elaine Lindolfo

22/10/2021

Griô: um João para muitas histórias

Educação

Mitologia dos Orixás e a História do Menino Invisível!

Com Hosaná Dantas, João Acaiabe Acaiabe e Miranda de Amaralina no III Seminário de SBC – 2012

 

Para essa edição, eu guardei o mais belo dos poemas, um dos mais significativos momentos vividos, das mais belas histórias, contadas e recontadas nas sábias palavras, do querido griô, João Acaiabe.

Estava refletindo para a produção dessa edição, quando tive a oportunidade de conhecer a professora Regina Maria da Silva, mestra em Educação, História e Política. Em uma de suas ações formativas, ela trabalhou com a seguinte definição para griô:

Griots
Imagem: https://www.mawon.org/post/griots-os-guardi%C3%B5es-das-palavras

 

Griots – contadores de histórias da África. Sábios muito importantes e respeitados na comunidade onde vivem.  Com suas narrativas, passam de geração a geração as tradições de seus povos, podiam ser narradores, cantores, cronistas e genealogistas que, pela oralidade, transmitiam a história de personalidades e famílias importantes para as quais prestavam serviço (BRAZ, 2012).

 

Ao ressaltarmos a importância da história e da tradição oral africana, estamos trazendo para a reflexão o potencial de identidade e de pertença que podemos trabalhar com as nossas crianças. Conhecermos nossa ancestralidade, para dar lugar para as histórias, cultura, descobertas, ou seja, todo o legado de um povo, que até então, ainda é muito subjugado e marginalizado na história da humanidade.

É fundamental que a educação promova oportunidades variadas, para que as nossas crianças tenham oportunidade de conhecer as histórias dos povos, que retratam diferentes aspectos culturais, de diferentes localidades e assim, possam constituir um imaginário plural e respeitoso, que promoverá a edificação de um ser humano mais tolerante e consciente da importância de reconhecer a diversidade.

Há muitas histórias que podem ser contadas, revividas e retomadas, que se referem a cultura africana e da população afro-brasileira, sendo assim, mais uma ferramenta de identidade cultural, constituindo referenciais para a população negra.

Gostaria de registrar aqui a experiência de vida, que foi conviver com este ícone do trabalho de resgate da tradição oral africana, como espaço de pertença e de valorização do legado histórico e cultural africano.

Contos e encantos – João Acaiabe nas escolas (2012); com Miranda de amaralina e Elaine Lindolfo

 

Esta imagem refere-se a uma ação desenvolvida em São Bernardo do Campo: João Acaiabe esteve presente em todas as creches da rede, levando suas histórias e a sua música, em parceria com Miranda de Amaralina (percussão), possibilitando assim que as equipes escolares, crianças professores, funcionários e familiares, pudessem receber esse ticket de viagem para universos, que promoviam a ancestralidade e o resgate da herança cultural, que por muito tempo nos foi furtada.

Um dos legados que podemos herdar de João, é o cuidado em preparar o ambiente para contar as histórias africanas. Ele utilizava um traje especial e entoava o hino da África do Sul, de forma que as pessoas que estivessem presentes na roda, nos palcos, nas ruas de leitura, pudessem preparar os seus ouvidos e a presença, para embarcarem na viagem proposta, em cada uma das histórias.

Escolher boas histórias, buscar autores negros e negras, que resgatem diferentes aspectos do conhecimento africano e trabalhar de maneira lúdica e envolvente, pode nos aproximar de João e de tudo que ele nos deixou.

Menina bonita do laço de fita – João Acaiabe e Elaine Lindolfo (2012)

 

Você, João Acaiabe, é o Guardião da nossa história, o anjo protetor de cada canto retratado e cantado em suas palavras. Eu fecho os olhos e escuto o hino da África do Sul, que você sempre entoou para iniciar o seu trabalho de contação de histórias, reforçando, a importância do respeito e da palavra com o poder de transformar.

Você encantou cada uma das pessoas que fizeram e fazem parte das suas rodas. Fico aqui, assim, olhando mais um pouquinho para você e pensando: Fica em paz porque nós vamos cuidar das coisas aqui!

Assinado: Menina bonita do laço de fita.

Depois deste registro poético, gostaria de convidar você, para ouvir a música composta pelo Lira *, em homenagem ao nosso Acaiabe. Esta é uma boa dica para trabalharmos com nossas crianças:

  • ouvir a música e assistir ao vídeo,
  • explicar o que é griô,
  • contar quem foi João Acaiabe e o papel como griô,
  • Contar uma, duas, mil histórias para as suas crianças, para que elas possam se ver representadas, ilustradas, retratadas com seus lindos cabelos encaracolados e dar continuidade ao trabalho de tradição oral da cultura africana.

Contem comigo!

Música e vídeo em homenagem: – Griô https://youtu.be/fc-D8bVaM4Q

 

* Liramúsico, compositor e arte-educador. Também toca na noite, participa de festivais de música e é contratado para tocar em festas, eventos e comemorações.  Também faz serenatas e jingles. E tem uma página no facebook: Lira – one man band e no YouTube como Claudemir Lima. Acesse o canal: https://youtube.com/user/Liralima1

 

 

Gostou? Compartilhe nas suas redes!

Comentários sobre o texto

  1. Wilma P da Costa disse:

    A cada história um novo aprendizado, uma prática renovada a cada experiência vivida .

    1. Elaine Lindolfo disse:

      Olá, Wilma.
      Concordo com a sua definição. São experiências. que como educadores, podemos proporcionar para nossos bebês e crianças. Falar das relações étnico-raciais na infância se faz necessário e urgente. Bora falar das suas experiências também e ampliar esta rede!

    1. Elaine Lindolfo disse:

      Olá, Edneia.

      Fiz com muito carinho, assim como todas as outras edições, no intuito de trazer à toa as experiências de cada educador/a, para nos inspirarmos e seguirmos adiante…

  2. Alvira Soares Reis disse:

    Eu conheci o João, suas histórias, fez parte da minha vida. Antes de sua morte o encontrei na praça da árvore em São Paulo zona sul. Aproveitei tudo em minhas atividades pedagógicas tanto na educação infantil, quando no ensino superiores.

Deixe um comentário para Alvira Soares Reis Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

artigos relacionados

Inscreva-se na nossa Newsletter